quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Peixe-Voador


Peixe-voador (Exocoetus volitans) surgiu a mais de 220 milhões de anos e é considerado um peixe pelágico, ou seja, peixe que passa boa parte do seu tempo de vida nadando sobre a coluna da água, essa espécie pertence à família Exocoetidae, família típica dos peixes conhecidos popularmente como Voadores

Os peixes voadores vivem em cardumes em todos os mares quentes e temperados. Ao contrario de 2 espécies de peixes tropicais de água doce que parecem bater suas asas, o peixe-voador dos oceanos plana. O corpo afilado, parecido como do arenque, tem grandes barbatanas peitorais. Estas ficam dobradas quando o peixe nada, e só a cauda é usada.


Existem cerca de 50 espécies de peixes voadores que vivem nos mares quentes de todo o mundo e que medem entre 10 e 45 cm, de corpo alongado, dorso azul-acinzentado, flancos prateados e ventre claro, nadadeiras pélvicas muito curtas, peitorais extremamente desenvolvidas e caudal furcada com lobo inferior maior. Também é conhecida pelos nomes de cajaleó, cajaléu, coió, holandês, pirabebe, santo-antônio, voador-cascudo, voador-de-pedra e voador-de-fundo.

Esses peixes usam as barbatanas peitorais para levantar vôo, muitas vezes usam este artifício para escapar de peixes predadores como, por exemplo, o atum, dourados e marlins. No entanto, ao sair de dentro da água, o voador arrisca-se a ser capturado pelos predadores alados, como as fragatas e albatrozes.
Quando nadam debaixo d'água, mantêm estas barbatanas junto ao corpo. Somente após atingirem a velocidade de 50 km/hora na água, levantam vôo num ângulo de 15°. Então, distendem as barbatanas peitorais, para que o ar os impulsione e planam a uma altura de um metro acima das ondas. Um vôo dura de 04 a 10 segundos e pode cobrir uma extensão de 45 metros. Algumas espécies chegam a percorrer 90 metros a uma altura de 1,5 metros ou mais acima da superfície do oceano, durante 10 segundos. Os peixes voadores conseguem fazer vários vôos planados sucessivos. Quando a energia adquirida no salto termina, eles mergulham novamente.
Cada vez que retornam à superfície da água, as batidas da cauda voltam a impulsioná-los para cima. Quando voam a favor do vento vão mais longe e mais alto. Já houve casos de peixes voadores que caíram num navio cujo convés estava a 11 metros acima da superfície do mar. Existe um outro peixe que também voa, é o peixe machadinha. É um peixe de água doce, da América do Sul e um parente afastado da carpa e do peixe elétrico. Embora pequeno (07 cm) este peixe possui força motriz durante o vôo. Seu amplo tórax possui enormes músculos que movimentam as barbatanas peitorais. Elas batem tão depressa que provocam zumbido e eles voam somente a 09 centímetros acima da água. Necessitam da distância de 12 metros para decolar para um vôo que é sempre curto (cerca de 1,5 metros).






2 comentários:

  1. gostei , exemplar ...

    ResponderExcluir
  2. arruma esse blog, essas imagens ficam cortando o texto... não sou adivinha!!

    ResponderExcluir